Gestão da retomada

A retomada das atividades exigirá por parte das empresas instrumentos que possibilite acompanhar a estratégia implementada para enfrentar os tempos pós-pandemia.

A maioria dos estados brasileiros preparam a retomada econômica dentro de algumas normas e protocolos. A retomada não será toda de uma vez, o plano é abrir por setores que no início não contará com a totalidade de seu quadro funcional.

A retomada das atividades exige o cumprimento de uma série de exigências que devem ser cumpridas com a finalidade de garantir a segurança de clientes e funcionários. Ao mesmo tempo as empresas também estão as voltas com várias questões como trazer os clientes de volta, gestão do fluxo de caixa, redimensionamento de custos e até a própria sustentabilidade dos negócios Continuar a ler

Razão e emoção no ambiente organizacional

Por Pedro Paulo Morales

 

Muita gente faz uma certa confusão entre Clima Organizacional e Cultura Organizacional porem eles significam abordagem diferente e não devem ser utilizados como sinônimo.

A Cultura Organizacional de uma empresa é formada por valores, costumes e conjunto de hábitos que foram forjados durante anos, ou seja, é a soma de todos conhecimentos que foram desenvolvidos com o passar do tempo, geralmente a Cultura Organizacional tem muito a ver com os valores e costumes do fundador da empresa. Continuar a ler

Creative thinking

Pedro Paulo MoralesPor Pedro Paulo Morales

Um dos maiores problemas enfrentados pelas empresas é desenvolver a criatividade e inovação entre seus colaboradores.

Para despertar a criatividade uma abordagem muito eficaz é o Creative thinking, que em uma tradução livre significa Pensamento Criativo.

Essa abordagem de pensamento caracteriza-se por ser mais relaxada, aberta e divertida. Pretende levar as pessoas a pensarem de uma forma menos critica e analítica. Essa abordagem apesar de apresentar alguns riscos como a de que a solução não seja encontrada, é muito útil para fomentar a inovação pois ela permite: Continuar a ler

A Lição do Pouso do Avião no Rio Hudson para o mundo corporativo

Para alguns você pode ser herói e para outros pode ser culpado

Por Pedro Paulo Morales

O filme “SULLY – O HERÓI DO RIO HUDSON” sobre o acidente de um avião ocorrido em 2009 quando uma revoada de pássaros atinge as turbinas da aeronave pilotada por Chesley “Sully” Sullenberger (no filme, Tom Hanks) traz uma lição importante para o mundo corporativo.

O que mais chama a atenção no filme é que mesmo tendo salvado 150 passageiros que estavam a bordo do avião e ter se tornado um herói nacional “Sully” enfrentou um rigoroso julgamento interno coordenado pela agência de regulação aérea nos Estados Unidos. Continuar a ler