Maratona da Vida Profissional

Na vida profissional passamos por três fases, a “corrida de 100 metros”, a “maratona de 42Km” e a corrida de bastão.

Movimentar Se, Executar, Desporto, Jog

É interessante a vida profissional de uma pessoa. Quando estamos iniciando nossa carreira queremos aprender tudo ao mesmo tempo, a cada novo conhecimento que ganhamos queremos colocar logo em prática e não medimos esforços para atingir nossos objetivos. Esta fase de nossa vida podemos chamar de “Corrida de 100 metros”, é a época da velocidade, de querer fazer várias coisas ao mesmo tempo e entregar resultados com agilidade.

Nesta fase é que pessoas com menos de 30 anos chegam a cargo de gestores ou liderança e promovem muitas mudanças dentro de empresas, são consideradas a solução para todos os problemas.

Quando atingimos 35 anos de idade percebemos que a vida é uma “Maratona de 42 KM” onde temos que correr em um ritmo menor. Nesta fase se continuarmos no mesmo ritmo de uma corrida de 100 metros vamos terminar como o soldado grego da lenda que deu origem a corrida da maratona, correu durante 40 km para cumprir seu objetivo, dar a notícia da vitória de uma batalha, quando chegou a cidade disse apenas “vencemos” e caiu morto pelo esforço.

“Cair morto pelo esforço” pode ser interpretado como ficar com stress ou desenvolver alguns problemas como insônia, transtornos alimentares, depressão, problemas cardiovasculares sem contar problemas emocionais ao descobrir que perdeu uma parte da vida, não viu seus filhos crescerem, não aproveitou os primeiros anos de casado ou quando percebe que seus pais ou pessoas queridas já não estão com você.

Por volta dos 50 e poucos anos você percebe que a vida já é uma “Corrida de Bastão”. Na corrida de bastão o atleta corre 100 metros e ao final passa o bastão para outro. A história da corrida de bastão é interessante, quando atleta gregos não estavam envolvidos nas olimpíadas eles desempenhavam a função de entregadores de correspondência, levavam a correspondência até um ponto e desse ponto outros continuavam e assim eles se mantinham sempre em forma.

Neste ponto da vida profissional, você já cansado pela maratona que enfrentou nos últimos anos, tem que começar a dividir as tarefas com alguém. Você descobre que ainda “corre 100 metros” e consegue entregar “as mensagens” com qualidade, mas ao invés de como era começo da carreira, onde você fazia tudo rapidamente, você percebe que ao final dos cem metros precisa passar o bastão para alguém “prosseguir a prova”.

Não importa se você consegue continuar correndo 100 metros ou quem sabe 30 metros o importante é entregar o bastão com qualidade para quem vai continuar a tarefa, como faziam os antigos entregadores de correspondência gregos.

Vamos refletir sobre isso e sucesso!

            Pedro Paulo Galindo Morales é Especialista em Controladoria, Graduado em Gestão e Técnico em Contabilidade. Atua como Coordenador de Conteúdo do Blog Falando de Gestão e é Professor EAD. www.pedropaulomorales.com, pedropaulomorales@yahoo.com.br

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s