Maratona da Vida Profissional

Na vida profissional passamos por três fases, a “corrida de 100 metros”, a “maratona de 42Km” e a corrida de bastão.

Movimentar Se, Executar, Desporto, Jog

É interessante a vida profissional de uma pessoa. Quando estamos iniciando nossa carreira queremos aprender tudo ao mesmo tempo, a cada novo conhecimento que ganhamos queremos colocar logo em prática e não medimos esforços para atingir nossos objetivos. Esta fase de nossa vida podemos chamar de “Corrida de 100 metros”, é a época da velocidade, de querer fazer várias coisas ao mesmo tempo e entregar resultados com agilidade. Continuar a ler

Anúncios

Gestão “Pra Já”

pexels-photo-277463

É certo que as empresas devem ser ágeis para manter a competitividade no mercado onde atua. O que tenho visto nas empresas são verdadeiras fixação para que tudo seja feito de uma maneira mais rápida possível e para complicar não é apenas um processo ou projeto, são vários projetos e processos ao mesmo tempo.

Essa urgência por mudanças vem causando um stress organizacional muito grande sobrecarregando tanto gestores, que não sabem lidar com tantas mudanças ao mesmo tempo como colaboradores que tem que implementar as mudanças sem terem recebidos treinamentos adequados. Continuar a ler

“Produtização” das soluções

As pessoas e não os softwares, são as que detém o verdadeiro conhecimento.

Um dos maiores problemas que vejo hoje nas empresas é a  “produtização” das soluções. “Produtizar” é tornar um produto, uma ideia ou serviço em um “best-seller” de vendas, ou seja, algo que já foi testado, aprovado pelo mercado e não precisará de muito esforço para vender esse produto. Continuar a ler

Também quero ser escravo

O que é trabalho escravo? Esta semana fomos “brindados” com a declaração de uma ministra de estado querendo receber dos cofres públicos um vencimento bruto de R$ 61,4 mil porque queria acumular o salário de desembargadora aposentada com a de Ministra. O pior não é isso , a Ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB) ainda disse que por ganhar apenas R$ 33,7 mil do total das rendas ela considerava que estava realizando “trabalho escravo.

Continuar a ler