Pão de Açúcar e Cassino, muita negociação e pouca concretização.

Abílio Diniz

Por Pedro Paulo Morales

Para Abílio Diniz é muito difícil deixar o comando do Pão de Açúcar, empresa criada por seu pai, Valentim Diniz, em 1948 a partir de uma confeitaria que se tornaria o maior grupo varejista do país.

Ainda existe muita negociação entre Abílio Diniz e Jean-Charles Naouri, dono da Rallye e controlador do varejista francês.

Como já se sabe Abílio Diniz vendeu em 1999 para o Casino, por 1,5 bilhão de reais, uma participação de 22% no capital do Pão de Açúcar. Seis anos mais tarde, o grupo francês aumentou sua participação pago mais 2 bilhões de reais pelo aumento de sua participação, que hoje gira em torno de 45,9%, na época ainda garantiu o direito de assumir o controle da empresa no dia 22 de junho de 2012.

Para Abílio Diniz é muito difícil deixar o comando do Pão de Açúcar, empresa criada por seu pai, Valentim Diniz, em 1948 a partir de uma confeitaria que se tornaria o maior grupo varejista do país.

Foram propostas varias soluções para que Abílio saísse da sociedade como, por exemplo, ele ficar apenas com a rede de hipermercados Extra o que foi logo descartado pelo Cassino com receio de Abílio continuar com seu plano de fusão com o Carrefour o que resultaria uma empresa muito forte no Brasil  pois o Carrefour conta com mais de 200 unidades (das quais 120 hipermercados CARREFOUR) em 18 estados o Distrito Federal, que somadas a dos  Hipermercados Extra  com 132 lojas formariam uma empresa que poderia estar entre as 10 maiores do Brasil. Uma outra opção que surgiu foi a divisão do Pão de Açúcar em duas empresas , Pão de Açúcar em duas, a Pão de Açúcar Alimentos ( supermercados e hipermercados, postos de gasolina e drogarias além do Assai) e Pão de Açúcar Eletro  (Casas Bahia e Ponto Frio) com a mesma composição acionária para depois ser  feita, uma troca de ações. Os papéis de Abílio no Pão de Açúcar Alimentos seriam trocados pelas ações do Casino no Pão de Açúcar Eletro. Esta ideia não foi bem aceita por Abílio que tem uma grande simpatia pela área de alimentos.

A negociação fica mais complicada, pois existe um problema de relacionamento entre os Klein e Abílio Diniz por conta de questões operacionais e disputa pelo presidência executiva da empresa Viavarejo, holding que concentra a operação das duas empresas de varejo eletroeletrônicos, o Pão de Açúcar já avisou informalmente que não reconduzirá Raphael Klein, neto do fundador da Casas Bahia, à presidência da empresa.

A falta de avanços nas negociações entre Abilio Diniz e Casino cria muitas dúvidas. Do lado brasileiro, a dúvida é: o Casino está mesmo disposto a negociar? Ou está simplesmente embromando para que se chegue ao dia 22 de junho sem mudar absolutamente nada? Do lado francês, tem-se dificuldade em entender o que, exatamente, Abilio quer se uma empresa independente, uma fusão com o Carrefour ou continuar presidindo o Pão de Açúcar, é esperar para ver.

Referencia: Portal Exame

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s