Arquivo da Categoria: O Monge e o executivo

Sobre Motivação e Outras Coisas Fundamentais: Os princípios de liderança servidora do Monge e o Executivo.

Pedro Paulo Galindo Morales

O artigo fala sobre liderança dos princípios de liderança servidora do Monge e o Executivo do autor James C. Hunter em seu livro “Como se tornar um líder Servidor” Capitulo 9.

Motivação é incentivar que as pessoas repitam uma determinada ação diversas vezes através de oferecimento de uma recompensa. Quando as pessoas tomam uma determinada atitude e não são de alguma forma recompensada a tendência é que aquela ação cesse.

Motivar é na verdade influenciar e inspirar as pessoas para que elas tenham determinadas ações que as leve a realizar determinadas ações.

Os meios de motivação por premiação quando a pessoa esta satisfeita com seu trabalho não surtem mais efeito na forma da pessoa trabalhar quando isso acontece o que funciona são  os  estímulos  de  reconhecimento  como  o  elogio, apreciação e  o  reconhecimento de seu trabalho pelos colegas de trabalho e aumentar esses itens faz com que as pessoas tenham um bom desempenho profissional.

Existe uma grande diferença entre o que um gerente que e o que os liderados precisam , os gerentes quem alcançar metas e lucro e os subordinados querem estar por dentro das noticias, querem ter reconhecimento ou que seus chefes sejam mais compreensíveis com seus problemas pessoais, dinheiro vem em uma das ultimas posições.

As empresas mais bem sucedidas reconhecem o esforço de seus empregados a sua forma de agir, e nas coisas que são relevantes e boas sendo que questões trabalhistas estão  sempre  ligadas a problemas de  relacionamento e não do trabalho  em  si.

Hunter observa que os voluntários sempre desempenham o seu trabalho com dedicação e afinco porque simplesmente são reconhecidos por seu trabalho quer seja um gramado bem cortado ou um pátio de uma igreja sendo que muitas vezes essa pessoa é um profissional desmotivado pelo simples motivo de não se sentir envolto em algo especial.

As empresas mais bem sucedidas reconhecem o esforço de  seus  empregados,  a  sua  forma  de  agir, motivam essas pessoas nas coisas que são relevantes e boas. Quando há questões trabalhistas estas estão sempre ligadas a problemas de  relacionamento dentro da empresa  e não do trabalho  em  si, em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos  verificou-se que quase 70% das pessoas que se desligam de uma empresa deixam o chefe e não a empresa.

É preciso demonstrar aos liderados que o que eles fazem é importante. Eles buscam se sentir bem no trabalho e em bem consigo mesmas, elas desejam compartilhar o alvo, as estratégias e participar do sucesso, desejam serem respeitadas como pessoas, ou seja, que seu chefe se interesse realmente por eles.

A excelência muitas vezes afasta pessoas que não tem desejo sincero de melhorar, essas geralmente são os verdadeiros problemas. Uma pessoa na excelência de sua função é aquela que tem orgulho do que faz e deseja se tornar parte de algo especial e para isso ela se torna altamente comprometida.

Para liderar pessoas é preciso saber conviver com diferenças, respeitar opiniões e mais do que isso ser verdadeiro nas suas ações.

Aos jovens e aos mais de 50 anos, Hunter deixa uma mensagem que procurem se relacionar bem saiba dar equilíbrio a energia e experiência e assim todos aprenderão que liderar é servir e para servir as pessoas temos que seguir os princípios que vão nos levar a “Qualidade da liderança”

Liderança exige

Qualidade Percebida

Paciência Auto Controle
Gentileza Tratar os outros bem, se interessar pelos outros
Humildade Comportamento autentico, sem complexo de inferioridade
Respeito Tratar as pessoas com a devida importância, construir uma relação de confiança, delegar tarefas
Altruísmo Atender as necessidades legitimas dos outros.
Perdão Tolerar as imperfeições das pessoas (comportamentos)
Honestidade Não tentar enganar ninguém
Compromisso Ter coragem moral de fazer a coisa certa, lealdade para com a equipe

 O amor é capaz de transformar as relações entre as pessoas permite  que sejamos mais serenos para enfrentar os conflitos das mudanças de caráter e atitudes que precisamos para exercer uma liderança servidora, pois como esta escrito em (I João ,4:8), “Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” .Vamos procurar praticar o que lemos neste 9 artigos publicados para tornar o mundo um pouco melhor!

Sobre inteligência emocional e liderança: os princípios de liderança servidora de O Monge e o Executivo.

Por Pedro Paulo Galindo Morales

O artigo fala dos princípios de liderança servidora contidos no capitulo 8 do livro “Como se Tornar um Líder Servidor” de James C. Hunter

Continuando a série de artigos do livro “Como se tornar um líder Servidor” vamos falar sobre o capitulo oito onde Hunter diz que apesar de treinar executivos em liderança servidora os resultados alcançados não eram satisfatórios pois apenas 10% das pessoas treinadas apresentava melhoras sensíveis e certamente esses percentuais não agradam os acionistas das empresas.

Os ensinamentos de liderança servidora quase sempre ficam em um plano menor devido a pressão recebida no dia a dia no que se refere a decisões e tarefas tanto na vida profissional quanto pessoal sendo necessária a criação de um ambiente favorável para que esses conceitos sejam aplicados.

Inteligência emocional é um termo muito amplo que abrangem habilidades interpessoais, motivação,transito social, empatia e autopercepção  sendo que o Professor Daniel Goleman , de Havard, diz que essas habilidades são responsáveis por 80 a 100% de sucesso de um líder.

Outro nome para inteligência emocional é caráter sendo que ela não é aprendida através da inteligência, ela é desenvolvida quando combinamos conhecimento com as ações necessárias para se chegar a um objetivo e assim se tornar eficiente.

Para Hunter a liderança pode ser aprendida com muito esforça e dedicação porem a inteligência emocional só é desenvolvida com um desejo sincero e um esforço concentrado.

Para que as pessoas melhorem as suas habilidades de liderança Hunter criou um sistema de controle de qualidade que pode ser divididos em três passos:

  • Passo Um: Fundamentos (Determinação de Padrão) esse passo se compõe de duas perguntas ‘Como devo me comportar?’ e “O que acontece se eu não me comportar desta maneira?” onde seu principal conceito é identificar o padrão e fixar os parâmetros.
  • Passo Dois: Feedeback (Identificação das deficiências) nesse passo os lideres devem comparar suas habilidades com a de um líder servidor para conhecer a sua real situação.
  • Passo Três: Atrito (eliminação das deficiências e medição dos resultados) onde as pessoas devem monitorar e medir as mudanças se deve elaborar um plano de ação com objetivos para cada participante de um programa de habilidades de segurança.

As pessoas devem ter em mente que a perfeição não existe e que a mudança se faz através da paciência e comprometimento e que as pessoas devem ser melhores do que forem capazes.

Sobre Caráter e Mudança: Os princípios de liderança servidora do Monge e o Executivo.

Por Pedro Paulo Galindo Morales

O artigo fala sobre liderança dos princípios de liderança servidora do Monge e o Executivo do autor James C. Hunter em seu livro “Como se tornar um líder Servidor” Capitulo 7.

Continuando a série de artigos do livro “Como se tornar um líder Servidor” vamos falar sobre o capitulo 7 onde Hunter diz que caráter e personalidade devem ser considerados de maneira diferentes porem a liderança tem haver com o caráter.

A personalidade se desenvolve ate aos seis anos de idade e ela é uma combinação de quatro estilos: dominância, influencia, sobriedade e consciência (DISC), que é um dos métodos usados para se medir a personalidade.Um outro método para se medir a personalidade é o da “imagem social” em que consiste em medir o quanto a pessoa exibe de charme, joviabilidade e carisma.

A palavra caráter vem do grego e significa “gravar” sendo que uma das características do caráter é que ele continua a crescer e se desenvolver durante a vida toda e esta e uma de suas premissas é estar sempre ligado a fazer e a escolher as coisas certas. O nosso caráter é influenciado pela hereditariedade e pelo ambiente e variam de pessoas para pessoas cabendo a própria pessoa fazer as escolhas que moldarão o nosso caráter, estas escolhas nos levam a hábitos e esses nos levam a comportamentos e esses moldam nosso caráter.

As pessoas são capazes de mudar e as mudanças devem ser feitas para que as pessoas se desenvolvam e assim posam mudar para melhor. Conforme Hunter existe quatro estágios referentes ao processo de transformação humana são eles:

A)    Sofrimento (conflito) é o estagio em que a pessoa muda porque se sente desconfortável em uma situação;

B)     Percepção esta fase é que prestamos atenção em nosso comportamento e nos esforçamos para mudá-lo;

C)     Vontade = intenções + ações, neste estagio a pessoa deve ter vontade de mudar e deve agir de modo que suas atitudes sejam capazes de promover essas mudanças;

D)    Mudança quando a pratica de novos hábitos ao longo de um tempo transformam nosso comportamento porem deve-se ter consciência que neste estágio a pessoa tem que ser firme porque paradas e sobressaltos acontecem e retardam a mudança.

Para que um hábito seja mudado é preciso e incorporado ao nosso comportamento é feito também em quatro estágios:

A)    Estágio um: inconsciente e sem habilidade é quando não temos consciência do nosso comportamento;

B)     Estágio dois: consciente e sem habilidades quando não temos consciência de um comportamento, mas não temos habilidade para um bom desempenho;

C)     Consciente e com habilidade: é onde começamos a ter mais habilidades e conseguimos nos sentir mais confortáveis com novos comportamentos;

D)    Estagio quatro: inconsciente e com habilidades: é quando o comportamento se torna automático.

Para se extinguir um hábito de caráter leva-se em torno de seis meses o que podemos concluir que um novo comportamento leva seis meses para se desenvolver e tornar-se automático, com Hunter diz é tudo uma questão de escolha sendo assim vamos iniciar nossa mudança desde já.

Sobre A Natureza Humana: Os Princípios de Liderança Servidora do Monge e o Executivo

Por Pedro Paulo Galindo Morales

O artigo fala sobre liderança dos princípios de liderança servidora do Monge e o Executivo do autor James C. Hunter em seu livro “Como se tornar um líder Servidor” Capitulo 6.

Continuando a série de artigos do livro “Como se tornar um líder Servidor” vamos falar sobre o capitulo seis onde Hunter diz que para se tornar um líder servidor é preciso que compreendamos a natureza humana e como os seres humanos percebem o que acontece ao redor e os valores que cada pessoa possui o seja o que cada pessoa preza e estima e comenta que estes valores mudam de acordo com o objetivo da organização. O mundo é bastante diversificado e o que é certo em uma cultura, por exemplo, é errado em outra citando com exemplo o valor da vaca para a cultura indiana, mas ninguém discorda de conceitos como respeito, gentileza o delegar tarefas porque esses princípios são universais podendo-se discordar apenas de detalhes.

Princípios são leis inalteráveis que são aplicáveis a todas as situações semelhantes como as leis da natureza como, por exemplo, as leis de física. Como essas leis existem as leis da natureza humana que se aplicam a eficiência e comportamento adequado. O fato é que não podemos domar as leis da natureza, mas podemos domar as leis da natureza humana.

Todos querem que os lideres e as pessoas tenham um comportamento agradável, respeitoso e gentil, mas porque as pessoas fazem ao contrario destes princípios? É tudo uma questão de senso moral e caráter, pois exatamente isso é que nos difere dos animais que pelo instinto são capazes de serem treinados para executarem alguma tarefa em troca de alguma recompensa. O ser humano tem liberdade de escolha e “refletir sobre a vida” a fim de escolher entre o certo e o errado como diz o autor no seu livro “o tipo de pessoas que nos tornamos depende de nossas decisões e não de nossas condições”

Para Hunter os seres humanos possuem um senso moral inato do que é certo e errado e que existe uma competição com outros desejos e tentações como riqueza, poder ou sexo sem compromisso sendo assim devemos compreender que existem duas verdades sobre a natureza humana. A primeira é que temos a capacidade de fazer escolhas entre o que é certo e errado e a segunda é que temos capacidade para o bem e o mal, a boa noticia é que conseguimos desenvolver vontade de fazer a coisa certa e desenvolver assim um “músculo moral” ao longo do tempo de modo a permitir estar acima do interesse pessoal e da satisfação imediata. Para Hunter o nome desse “músculo moral” é caráter.

Sobre Gentileza e Responsabilidade: Os princípios de liderança servidora do Monge e o Executivo

Por Pedro Paulo Galindo Morales

Continuando a série de artigos do livro “Como se tornar um líder Servidor” vamos falar sobre o capitulo 5 onde Hunter diz que para ser um líder servidor é preciso ter boas maneiras ao lidar com as pessoas sendo que essas habilidades estão presentes em todas as pessoas basta ver que quando os executivos estão frente a frente com pessoas importantes todos eles sabem se comportar e serem agradáveis sendo que eles se acostumaram a desenvolverem hábitos de serem desagradáveis com pessoas que não consideram importantes e o mais incrível é que as empresas muitas vezes concordam com esse comportamento.

Uma das técnicas para que as pessoas verifiquem se estão se comportando bem adequadamente é gravar a entrevista de recrutamento onde eles se apresentam amáveis e sorridentes e se mostram como o líder que a empresa precisa, aquele que sabe tratar bem as pessoas.

A maior oportunidade de ser atencioso com outras pessoas é quando desenvolvemos a escuta empática que é aquela em que nos colocamos no lugar dos outros escutamos com atenção e respeito.

Saber escutar é um sinal de gentileza e a boa noticia é que a escuta empática pode ser desenvolvida de maneira que se crie um relacionamento saudável.

O líder deve ter como responsabilidade fazer com que a equipe de liderados contribua para cumprir os objetivos da empresa porque quando o líder não faz isso ele esta prejudicando a empresa pois ela não se beneficia do trabalho do liderado passando o líder a ser o único beneficiado com essa atitude pois ele não tem que enfrentar problemas de relacionamento.

No mundo dos negócios o lucro é o combustível que faz a empresa se mover se não há lucro a empresa para e acaba e é por esse motivo que o líder deve cobrar que o liderado faça o serviço de uma maneira melhor possível, se não fazer não se deve ter duvida em desligá-lo ou removê-lo para outra função.

Conforme Hunter disciplinar é ensinar e os lideres devem ensinar as pessoas a cumprir com suas obrigações, a palavra disciplina vem de discípulo e tem a ver com aquele que recebe treinamento ou ensinamento, mas infelizmente atribuiu-se a ela um caráter negativo ligado a punição e humilhação quando o sentido certo da palavra deve ser entendido como levar a pessoa ao caminho certo.

Os lideres servidores possuem a capacidade de “abraçar” quando seus liderados estão com problemas e dar uma “palmadas” quando eles precisam ser repreendidos ficando claro que os gestores devem cumprir metas ao mesmo tempo que desenvolvem relacionamentos e fazem escolhas entre o certo e o errado motivo pelo qual ele deve ter influencia sobre a sua equipe a fim de que estas escolhas possam obter sucesso.

Quando se faz a escolha de ser líder deve-se ter em mente que o caminho é árduo e que neste caminho há escolhas e transformação e é imprescindível que o líder tenha essa habilidade, pois ser um líder autoritário é fácil difícil é ser um líder paciente, gentil, humilde , respeitoso , altruísta honesto e dedicado.

Como se diz na agricultura “Ou se esta verde e crescendo ou se esta maduro e apodrecendo” onde o verde é a transformação (escolhas) e o maduro é a acomodação.